O TREINAMENTO DA CÉLULA PARA O AMBIENTE PROFÉTICO

O treinamento da célula para o ambiente profético

      ” Todos nós devemos ser profetas na vida uns dos outros com o objetivo de edificar o corpo de Cristo, exortando, consolando e edificando.”

      Fazemos parte de uma obra elaborada por Deus que nos foi confiada para ser edificada na terra. Precisamos, pois buscar os materiais para essa obra, lapidá-los, encaixá-los e, então, edificar segundo os moldes que nos foi dado pelo Senhor. Todo este projeto foi lido pelo ministério dos apóstolos. E esta obra está sendo edificada hoje, ou pelo menos deveria estar sendo edificada. Todavia, percebemos certo desgaste no decorrer da edificação da igreja. Uma coisa é fato: tudo o que está em movimento tende a parar. É então que entra o ministério formidável do profeta (Ef 4:11-12). A profecia tem três finalidades: exortar, consolar e edificar (1 Co 14:3).

     1. Exortação

      Uma igreja que está sendo edificada nos moldes da planta que Deus revelou aos apóstolos precisará de um ambiente profético, pois é através dele que conseguirá centrar todas as pedras da edificação. Quando começamos a edificar uma igreja, percebemos que, para termos unidade, precisamos de exortação. Os membros do corpo de Cristo precisam ser os profetas dos outros membros, pois não há lugar para opiniões humanas no trabalho que desempenhamos, e por isso a exortação é necessária no trabalho que desempenhamos. Paulo fala da exortação de maneira muito clara em Filipenses 2:1-4. Nesse texto, ela tem uma finalidade – completar a alegria de Paulo, que tinha toda satisfação e encargo pela igreja do Senhor.

      Pensar a mesma coisa

      Quando digo pensar a mesma coisa, refiro-me a nosso posicionamento com relação à obra de Deus. Não podemos ter opiniões que não concordem com a natureza de Deus com Sua Palavra. Então, para pensarmos as mesmas coisas, precisamos ter a mente de Cristo, sendo esta a Palavra de Deus (1 Co 2:16). Precisamos exortar todos aqueles que começam a pensar diferente em nosso meio. Não podemos ter vozes discordantes, estranhas à planta da obra que estamos edificando. Esta é uma função de todos os membros do corpo: ser profeta para exortar aqueles que estão saindo do projeto da obra.

      Ter o mesmo amor

      Devemos exortar os irmãos que não possuem o mesmo amor que nós. Deus junta aqueles que possuem o mesmo coração. Quando Maria ficou grávida de Jesus, Deus a enviou para estar com Isabel, que estava grávida de João Batista, porque ambas estavam grávidas do mesmo propósito. Só podemos edificar uma obra que seja casa de Deus se tivermos irmãos que tenham o mesmo amor por esta obra. Amor não é sentimento, pois este vem e vai, mas o amor que devemos ter pela edificação da igreja é uma decisão de dar o melhor, independente de qualquer acontecimento ou circunstancia; é um amor de aliança com Deus, com os irmãos e com a visão da edificação. Precisam ser exortados aqueles que querem amar apenas o dinheiro, os benefícios da obra, aqueles que veem o Senhor apenas como quem abençoa e não como quem nos convida a tomar a cruz e segui-Lo.

      Ser unidos de alma

      Ser unidos de alma é ser unidos em um relacionamento forte no meio da obra. Se olharmos para a vida de Davi e Jônatas, perceberemos que eles foram unidos de alma (1 Sm 18:3). Jônatas era filho de Saul, e mesmo sendo seu pai, o rei, percebeu que Deus estava levantando Davi e renunciou à coroa para que este tomasse o seu lugar. Ele amou Davi com sua própria alma e ficou do lado do propósito de Deus naqueles dias. Sua percepção era que Davi era o escolhido de Deus e ele se uniu a Davi nesse proposito, independente do pai possesso que queria mata-lo. Precisamos exortar aqueles que possuem desejos da alma na obra de Deus. Não levantamos parentes e amigos com liderança na obra, apenas reconhecemos aqueles que o senhor está levantando.

      Ter o mesmo sentimento

      A exortação dos profetas de Deus no meio da igreja deve levar-nos a ter o mesmo sentimento de edificar a obra de maneira apropriada, sentimento de satisfação em pagar o preço pelo propósito de Deus, de estar no lugar certo e fazer a coisa certa, sentimento de família, do corpo, de casa de Deus. Qualquer coisa que seja contrária a isso deve receber exortação

      Não fazer nada por partidarismo

      Lá fora é que existe este tipo de atitude. Em nosso meio, temos outro espírito. O que provoca o partidarismo é a competição. Esta não faz parte do espírito de Cristo. Digo isso olhando para a vida de Jesus e João (Jó 4:1-3). João Batista também não aceitou nenhum espírito de competição (Jó 3:26-30). Muitos argumentam que uma competição santa pode ajudar o reino de Deus a crescer. O problema é que o espírito de competição não está de acordo com o Espírito de Cristo. De nada adianta edificarmos uma igreja se as pessoas as continuarem com o espírito do mundo. Saul é um exemplo de alguém que se deixou levar pelo espírito de competição e o resultado é que, por causa disso, um espírito maligno entrou em sua vida (1 Sm 18:7-10). A competição foi a porta de entrada para a crise de Saul e sua possessão, porque ele não compreendeu que, na obra de Deus, não existe divisão, competição e muito menos partidarismo. Saul deveria ter elogiado Davi e reconhecido o que Deus estava fazendo através da vida dele. Precisa haver exortação em nosso meio para que não haja esse espírito na edificação. Thiago diz que onde há o espírito faccioso, ai há confusão (Tg 3:16). Exortação é uma necessidade no meio da igreja para que ela seja edificada. O que temos em muitas igrejas é que se intitulam a igreja do amor e acham que amar é nunca falar nada que constranja os irmãos, mas isso é um engano. Precisamos exortar todos aqueles que precisam ser exortados.

      2. Consolo

      Se todos nós precisamos ser profetas nesta edificação, precisamos exortar, mas também consolar. O consolo sempre leva os irmãos a se sentirem nutridos, esperançados, levantados, preenchidos em Deus para continuar. Com o passar do tempo, muitos fatores podem gerar desgastes na igreja. Isso é normal, não está fora do padrão de construção. Em uma igreja prevalecente, que cresce, que é ousada para buscar a vontade de Deus, haverá problemas, e, nesses problemas é preciso que os irmãos profetas na vida uns dos outros.

      Consolando aqueles que estão cansados

      O Senhor tem força para aqueles que estão cansados, mas o meio pelo qual essa força chegará ao cansado será através de outro irmão que será através de outro irmão que será a força de Deus com uma palavra profética de consolo (Is 40:29). Quero que você perceba isso na prática. Há momentos em que estamos na célula, por exemplo, e um irmão percebe pelo espírito que estamos abatidos, então ele vem, abraça-nos e libera uma palavra de ânimo sobre nós. Todos nós precisamos desenvolver essa função de profeta para ser consoladores de nossos irmãos. Mas, para isso, precisamos eliminar o medo de errar. Nós não somos Deus, somos gente. Então, podemos nos dar o luxo de tentar. Pode ser que, ao ministrar consolo profético na vida de alguém, você erre. E não existe nada demais nisso. Seja um profeta ministrando consolo na vida daqueles que estão cansados para que suas forças sejam revigoradas e eles possam edificar a cada de Deus.

      Consolando aqueles que estão sendo provados

      O consolo é um instrumento de Deus na vida daqueles irmãos que estão na prova, no deserto, e que muitas vezes perderam a referencia do lugar em que estão. O deserto é um lugar de passagem, as há pessoas que passam a morar nele, e isso acontece pelo simples fato de que Deus não pula a lição no qual estamos. Se você não é aprovado na lição, não passará para a próxima, e Ele repetirá a prova até que você seja aprovado. Oque acontece com muitos irmãos é que eles param neste lugar, no deserto. É necessário que um profeta venha e ministre na vida deles levando-os a entender que não há mérito em estar no deserto, que o mérito é sair de lá. O profeta pode ser um instrumento de Deus para leva-lo à vitória diante das provações.

      Consolando aqueles que estão sendo tentados

      Outros irmãos não estão sendo aprovados pelo Senhor, mas estão na tentação, e isso é terrível, porque há irmãos que não caíram ainda, mas estão prestes a cair. A palavra de consolo de um profeta na vida deles incentivando-os a permanecer fiéis e a negar as propostas do diabo será um instrumento poderoso na profecia, pois ele pode levantar o abatido e dar forças ao fraco. Precisamos exercitar esses ministérios no meio do povo, no meio da edificação da casa de Deus.

      3. Edificação

      Através da profecia, podemos exortar e consolar os irmãos, mas há ainda uma última vertente, podemos também edifica-los (1 Co 14:4). Sei que talvez você ache que só os que estão na direção errada e os fracos deveriam receber a profecia, mas ela tem o objetivo de edificar também aqueles que estão no padrão da construção. A tendência é ficarmos muito críticos e valorizarmos demais o erro dos irmãos, mas deveríamos ter bons olhos para perceber aqueles que estão no prumo. Há muitos irmãos que têm o coração em Deus e estão edificando algo genuíno em nosso meio, os quais deveriam ser edificados através das profecias. Gosto do exemplo de como Deus tratou Josué após a morte de Moisés (Js 1:1-6). Josué era um servo que estava trabalhando segundo a visão que Deus havia dado a Moisés, segundo o projeto de levar o povo que havia saído do Egito à terra prometida. Josué sempre foi fiel à visão e ao cumprimento desse proposito. Quando enviado entre os doze espias, ele e Calebe foram daqueles que, diante do relatório pessimista dos outros dez, tiveram outro espírito, o espírito que agradou a Deus e a Moisés (Nm 13:30). Talvez algum outro líder pudesse dizer a palavra mais terrível que às vezes ouvimos: Josué é um ótimo servo, mas… Quando este “mas” está em evidencia, é porque precisamos de exortação. O que precisamos é fazer como Deus fez, lançou uma palavra sobre Josué de confirmação, de consolidação e aprovação.

      A profecia confirma, consolida e aprova. A profecia guarda a edificação da planta. Quando estamos envolvidos na edificação da igreja de maneira apropriada, precisamos de uma palavra profética para guardar essa visão. Essa palavra é que nos dá a certeza de que estamos no caminho certo, que vale a pena não desistir, lutar e completa a carreira diante do senhor. Aqueles que precisam ser edificados com a palavra profética são os que servem na edificação da igreja. Servir é um padrão ensinado por Jesus (Mt 20:26). Entretanto, às vezes, as pessoas estão servindo há anos a vida da igreja e, com o passar do tempo, pode acontecer um certo desgaste. Elas não estão desanimadas, não estão frustradas, mas precisam de uma palavra que vai relembrá-lo onde estão e para onde vão. Até Jesus recebeu uma palavra de confirmação, consolidação e aprovação (Mt 3:17). Cada um de nós pode ser profeta de edificação de irmãos para que não percamos o foco de que estamos edificando uma casa para Deus.

      A profecia no meio da igreja

Todos nós devemos ser profetas na vida uns dos outros com o objetivos de edificar o corpo de Cristo, exortando, consolando e edificando. Sei que, quando falamos de profecias, pensamos logo em alguém falando o que vaia acontecer no futuro. Mas o que o profeta falava era aquilo que Deus havia falado. Ele apenas entregava no meio da igreja, começar a profetizar no sentido de falar aquilo que Deus falou, e o que Ele falou está na Palavra. Precisamos falar a Palavra de Deus na vida dos irmãos, e isso será edificação na vida deles. Se queremos edificar algo genuíno para Deus, precisamos estar em alerta contra os vírus da religião, do clericalismo, do judaísmo e de todas as artimanhas do Diabo para destruir a vida e função do corpo. Que nesses dias cada membro do corpo seja apóstolo, evangelista, mestre, pastor e profeta, exercendo essas funções com uma das mãos e com a outra empunhando a espada contra todas as ciladas e artimanhas do inimigo que levanta opositores contra a edificação da casa de Deus (Ne 4:17). Que você faça parte dessa edificação, sendo um membro do corpo que tem vida e funciona para o grande propósito eterno de Deus.

Fonte: Revista Vinha, Ano XIV – Nº 67 – 2013

O TREINAMENTO DA CÉLULA PARA O AMBIENTE PROFÉTICO

Comentários (0)